Colunistas


Afinal, o que é o vinho sustentável?

30/08/2016 Portal Adesso

Antes de tudo, é preciso destacar que a produção orgânica de vinhos é considerada sustentável quando realizada a partir de conceitos e práticas que visam oferecer ao produtor e, especialmente, ao consumidor uma elevada qualidade de vida, sem que se prejudique a natureza durante o processo, ou melhor, minimizando os impactos dessa produção no ecossistema.

Partindo disso, é correto afirmar que para ser um vinho produzido de maneira sustentável, a vinícola responsável deve obedecer a alguns requisitos básicos:

Cuidado intenso com todo o processo, desde o plantio das uvas até a produção da bebida. Prolongamento do uso das terras de cultivo, práticas de agricultura orgânica, como opções de combate naturais a pragas e a utilização mínima de aditivos e conservantes no processamento das uvas são alguns desses cuidados. Ou seja, quanto mais natural e artesanal, e menos mecanizado e industrializado, for o processo de produção, mais sustentável o vinho será;

A proteção ambiental significa não apenas cuidar da terra, das vinhas e das castas a serem utilizadas. Para produzir um vinho sustentável a vinícola deve também atentar para outros requisitos. O uso inteligente da tecnologia para reduzir o consumo de água, energia e combustível durante todo o processo, bem como a utilização de garrafas mais leves, além de materiais recicláveis e reciclados para a embalagem dos vinhos, é somente parte de alguns desses requisitos;

O respeito pelo trabalho da comunidade de vinicultores local e sua tradicional relação com a terra é também outro fator que torna o vinho sustentável. O bem estar social e econômico dos profissionais que trabalham na criação dos vinhos, no cultivo das videiras, na colheita e processamento das uvas, completa o ciclo de importância de sustentabilidade na produção vinícola.

Por que consumir vinhos sustentáveis?

Os vinhos produzidos sustentavelmente são muito bem recebidos no mercado internacional, pois são elaborados de maneira artesanal, com uma preocupação direta com o consumidor, visando a qualidade em detrimento da quantidade, e além de tudo tem padrão garantido por diversos órgãos de fiscalização agrícola do seu país de origem e da comunidade vinícola mundial.
 
Os benefícios de consumir estes tipos de vinhos são muitos: evitam problemas de saúde, tem valor nutritivo maior, os aromas e sabores podem ser mais intensos, etc. Além de tudo, o vinho é uma das poucas bebidas que, além do prazer inerente à sua composição, oferece uma ampla bagagem cultural e histórica ao seu degustador. Desta forma, quanto mais o consumidor souber que, para criar aquele vinho, os produtores utilizaram técnicas naturais de cultivo, respeitando o equilíbrio ambiental e incentivando a economia de trabalhadores locais, mais ele estará conectado e propenso a apreciar a bebida.

 

MAIS DO COLUNISTA