Colunistas


Chardonnay, a rainha das uvas brancas

27/09/2016 Portal Adesso

A Chardonnay, conhecida como “a rainha das uvas brancas”, é uma das uvas mais populares do mundo, sendo produzida em diversas regiões. Originária da Borgonha, região leste da França, foi durante muito tempo a única variedade utilizada para a produção dos vinhos mais finos da região. Seu caráter versátil e a facilidade do seu cultivo são os responsáveis por ela ser hoje tão disseminada, sendo encontrada em praticamente todas as regiões produtoras no mundo, destacando-se inclusive aqui no Brasil.“É uma uva versátil, produz desde vinhos brancos secos até os espumantes.”

Dependendo da maneira como é tratada, pode gerar desde vinhos leves e frescos até encorpados, quentes. Pode se vinificada sozinha quanto emassemblages, assim como pode estagiar em madeira ou não.

Um dos grandes motivos pelo qual a Chardonnay é considerada tão versátil é, sem dúvida, sua personalidade. É uma casta fantástica – a videira se adapta muito bem aos mais diferentes solos e climas (a exceção dos extremos quente e frio), sendo capaz de expressar o desejo do viticultor e a expressão do terroir.

Por conta de toda essa maleabilidade, alguns até chamam-na de uma uva vazia, limitada a apenas expressar a vontade do produtor e o local onde é cultivada. De fato, nenhuma outra casta pode absorver tantas características do solo e do processo de vinificação, como ela. Talvez isso explique o paradigma dessa casta que é amada por muitos e desprezada por poucos.

Características:

Originalmente, ela é pouco aromática. Os vinhos podem apresentar as mais diversas características organolépticas. Genericamente, os aromas primários mais encontrados são: frutas cítricas, frutas, florais, amanteigados, amadeirados. Dependendo da região, ainda podemos encontrar minerais, pedra de isqueiro e esfumaçados.“Devido à versatilidade da uva, não se pode dizer que o vinho Chardonnay tenha uma característica ou estilo em comum, que possa ser encontrado ao redor do mundo.”

Na boca, a Chardonnay também pode se apresentar das mais variadas formas. É a casta branca que mais se beneficia da fermentação em barrica e do estágio em madeira. Seus vinhos podem variar em acidez e corpo, como em frescor e untuosidade. Quando cultivada em regiões mais frias, gera vinhos mais frescos e leves, se em regiões mais quentes, o vinho ganha estrutura, untuosidade e notas de frutas tropicais maduras.

 

MAIS DO COLUNISTA