Polícia

Delegado da PF afirma que funcionários da Prefeitura de Garibaldi são investigados por corrupção e fraude

07/11/2018 - Fonte: Portal Adesso - Foto: Diego Franzen

Compartilhe:

     Operação desencadeada pela Policia Federal na manhã desta quarta-feira (07), cumpriu em Garibaldi seis mandados de busca e apreensão, sendo em quatro residências e duas empresas.  

     A Polícia Federal (PF) e a Receita Federal deflagraram na manhã desta quarta-feira a Operação Caementa, que investiga um grupo empresarial com sede em Santa Maria. Os donos da empresa Supertex e alguns funcionários são suspeitos de cometer crimes de lavagem de dinheiro, desvio de patrimônio, fraude em licitação, corrupção e organização criminosa. O grupo, com cerca de 500 funcionários, seria responsável por controlar 15 filiais, entre elas em Garibaldi, que atuam no segmento de produção de concreto, extração e comércio de areia e pedra e movimentaria a cifra de R$ 1 milhão por dia.

     De acordo com a Polícia Federal, a operação cumpriu 37 mandados de busca e apreensão e oito mandados de prisão em cidades onde a empresa tem operações: Santa Maria, Porto Alegre, Bagé, Carazinho, Caxias do Sul, Frederico Westphalen, Garibaldi, Maquiné, Panambi, Passo Fundo, Rosário do Sul, São Sebastião do Caí, Três de Maio e em Camboriú (SC). A operação contou com a participação de 16 auditores da Receita Federal e 150 agentes da Polícia Federal.

     Na operação, 8 pessoas foram presas, mas nenhuma em Garibaldi. Na cidade, a Polícia realizou busca e apreensão em quatro residências e em duas empresas. A equipe do PORTAL ADESSO acompanhou uma das viaturas, enquanto ela se deslocava pelo Acesso Norte do município (foto). Os policiais federais recolheram diversos documentos e apreenderam mais de R$ 170 mil reais durante a busca na cidade.

     Durante entrevista coletiva, o delegado Diogo Caneda, confirmou as prisões e disse que todas elas foram efetuadas em Santa Maria, sede da empresa. Entre os presos estão o sócio da empresa, esposa, contador e funcionários. A Justiça autorizou o bloqueio de contas bancárias e do patrimônio (imóveis e veículos) dos 8 investigados.

     Em Garibaldi, o delegado Caneda afirmou que funcionários da prefeitura municipal, estão sendo investigados por participação no esquema criminoso por corrupção e fraude em licitações. Além disso, policiais rodoviários (federais/estaduais) também são investigados por liberar veículos com carga acima do permitido, sem nota fiscal ou nota adulterada.

Contraponto

     O advogado do Grupo Supertex e dos oito envolvidos, Roger de Castro, disse vai pedir o habeas corpus de todos presos ainda nesta quarta-feira. Ele e o colega Leonardo Santiago Sagrilo ainda não tiveram acesso ao inquérito. Elissandro Basso, um dos sócios da empresa, está preso temporariamente.

     Já a Prefeitura de Garibaldi afirmou através da assessoria que não foi alvo da busca e apreensão e não recebeu nenhuma intimação. Nossa equipe conversou com o vice-prefeito de Garibaldi que está no cargo de prefeito em exercício. Acompanhe outra matéria.

 

 

 

 

Compartilhe:

deixe seu comentário

Publicidade: