Política


Vereadores de Bento aprovam abertura de cassação de Moacir Camerini (PDT)

Vereador é acusado de utilizar estrutura da Câmara para disseminar informações e conteúdo falsos
21/10/2019 Rádio Difusora 890 - Fotos: Difusora e Câmara Bento Gonçalves
Anterior Próximo

     Na tarde desta segunda-feira (21), foi aprovado na Câmara de Vereadores de Bento Gonçalves,  o pedido de abertura de uma Comissão Processante que dará continuidade ao rito do pedido de cassação do vereador Moacir Camerini (PDT). Ao todo, foram dez votos favoráveis e seis contrários (dos vereadores Moisés Scussel, Agostinho Petroli, Élvio de Lima, Leocir Lerin, Marcos Barbosa e Moacir Camerini).

     Os demais parlamentares, além dos suplentes que foram chamados (os integrantes da CPI das Fake News foram os denunciantes e tiveram de se afastar), foram favoráveis a Comissão, exceto Leocir Lerin (MDB). Os demais suplentes que disseram sim para a denúncia foram Carlos Pozza (Progressistas), José Antônio Gava (PDT), Delarci Martins de Lima “Cascão” (Progressistas) e Thiago Fabris (Progressistas).

     Após, houve um sorteio foram denidos os três parlamentares integrantes da Comissão Processante que são Neri Mazzochin, Moisés Scussel e Gustavo Sperotto. Com a conrmação dos membros, o presidente Rafael Pasqualotto (PP) suspendeu a sessão por alguns minutos para denição das funções como presidência e relatoria.

     Também foi definido que Sperotto será o presidente, Mazzochin o relator e Scussel integrante da referida Comissão.O trio seguirá os trâmites internos do Poder Legislativo e será responsável por emitir um parecer sobre a denúncia. A cassação de Camerini foi solicitada com base no relatório de conclusão da CPI das Fake News, que sugere de que o parlamentar utilizou-se da estrutura física e funcional (ex-assessores) da Câmara Municipal, para a criação e manutenção de perfis falsos nas redes sociais, com o intuito de disseminar conteúdos de imagens, vídeos, comentários caluniosos e difamatórios contra autoridades e colegas vereadores.

     A Brigada Militar chegou a ser acionada para acompanhar o momento da votação. Depois do procedimento, os vereadores titular que afastaram-se para a votação do pedido, retomaram suas funções.

MAIS NOTÍCIAS