Saúde


Hospitais da região sofrem com queda no faturamento

No início da pandemia muitos procedimentos eletivos foram cancelados, agora estão tentando retomar suas rotinas
19/05/2020 Portal Adesso - Foto: Arquivo

     Apesar do aumento na circulação e no atendimento de pessoas devido ao coronavírus, os hospitais da região estão sofrendo com redução no faturamento. A queda está relacionada com a diminuição de exames e cirurgias eletivas. No início da pandemia, as instituições cancelaram muitos procedimentos, mas agora estão tentando retomar suas rotinas.

     Em Garibaldi, o Hospital Beneficente São Pedro (HBSP) teve uma redução de 70% em suas receitas. Segundo Jaime Gnatta Kurmann, administrado da instituição, o medo da contaminação por Covid-19 afastou as pessoas da realização de outros serviços. “O hospital é seguro. Nós criamos a área de isolamento para possíveis casos de coronavírus e também o centro de triagem, para que as pessoas com suspeitas da doença não entrem em contato com os outros pacientes. As pessoas com problemas de saúde devem voltar a procurar o hospital”, indica Kurmann.

     O HBSP teve um aumento de 15% nos custos, devido aos atendimentos para covid-19. “Esse é um serviço público. Para realizar esses atendimentos nós precisamos contratar mais funcionários. O que balanceou um pouco foi a contribuição dos municípios que tem o São Pedro como hospital de referência”, explica o administrador.

     Sobre os valores arrecadados junto à comunidade, Jaime deixa claro que o uso da verba foi destinada a compra de equipamentos para a UTI do hospital. “O valor arrecadado foi todo para investimento, porém nós temos todo o custeio da instituição”.

     Os hospitais do Tacchini Sistema de Saúde também estão passando por redução no faturamento. As cirurgias eletivas, procedimentos ambulatoriais, exames laboratoriais, entre outros serviços estão suspensos desde de março. Os hospitais do grupo estão apenas realizando procedimentos considerados de urgência.

     Em abril houve uma redução de mais de 38% no faturamento geral do sistema Tacchini. A queda levou a instituição a aderir ao programa do Governo Federal de redução de jornadas de trabalho e salários. Em um comunicado enviado para os funcionários a direção do grupo alega que a diferença entre receitas e despesas chegou a um ponto que tornou-se impossível seguir sem algumas medidas para readequar a folha de pagamento.

     Alguns funcionários tiveram sua jornada de trabalho reduzida em 25%, outros em 50% e alguns em 70%. Além disso, outra parcela de colaboradores cuja atividade foi afetada por completo pela pandemia de Coronavírus terão contratos suspensos por 60 dias. Em todos os casos há complementação de salário por meio de programa do governo federal. A medida deve durar pelos próximos 90 dias.

 

MAIS NOTÍCIAS